PortugueseEnglishSpanish
Loja Hm Rubber

Conhecendo os mecanismos da ação da umidade em edificações

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

A água é um dos grandes causadores de patologias em construção, de forma direta ou indireta, a ação da umidade pode ser observada como agente de degradação ou como meio para a instalação de outros agentes. 

A variação climática, sendo mais intensos ou mais úmidos, podem prejudicar a conservação das construções. Por isso, a proteção passa a ser um elemento fundamental, pois devido a degradação hídrica da estrutura, a durabilidade pode ficar comprometida.

 

Atuação da água em uma edificação

Os mecanismos de atuação da água dentro das construções são importantes para conhecer a forma como deve ser protegida. Podem se destacar: Intempéries, infiltração, condensação, ascendente por capilaridade e percolação.   

  • Intempéries: É a mais comum, sendo decorrente de umidade agindo sobre o agente construtivo. Com a degradação das partes construtivas, a umidade tende a migrar por processo de difusão, podendo criar focos de umidade ao quais se desenvolvem fungos, bactérias, eflorescências, entre outras patologias.
  • Umidade por infiltração: Originada pelas falhas na conservação da edificação, em que a umidade acaba passando da parte externa para interna através de pequenas trincas, alta higroscopicidade ou falhas na interface como em paredes, portas, janelas, calhas e platibandas. Sendo proveniente de água de chuva ou proveniente da própria edificação como pontos de vazamento, observados em lajes, forros, paredes, entre outros.
  • Umidade por condensação: É a água com origem na condensação de vapor de água presente no ambiente sobre a superfície de um elemento construtivo deste ambiente*. Desta maneira ocorre a diferença térmica entre substratos e o componente volátil, formando umidade na superfície como ocorre em saunas e frigoríficos.
  • Umidade ascensional:  Fluxo ascendente de água, através do fenômeno da capilaridade – ocorre por pequenos canais na microestrutura dos materiais. A subida da água ocorre até que haja o equilíbrio com a força da gravidade, sendo percebida em pisos e paredes. A ação da umidade pode estar presente no solo, por fenômenos sazonais com aumento e diminuição da umidade pela presença de lençóis freáticos superficiais.
Conhecendo os mecanismos da ação da umidade em edificações

Umidade ascendente (Soares 2014 adaptado).

  • Água por percolação: Refere-se a água por pressão, em estruturas de reservatório ou piscina, a pressão pode estar atuando de forma unilateral ou bilateral, ou pressão positiva ou negativa. Segundo a norma*, define-se como pressão positiva, a água que, confinada ou não, exerce pressão hidrostática superior a 1 kPa de forma direta a impermeabilização.

 

Conhecendo os mecanismos da ação da umidade em edificações

Pressão positiva (Soares 2014 adaptado).

Pressão positiva na área interna e externa (IBI).

 

A pressão negativa, água confinada ou não, exerce pressão hidrostática superior a 1 kPa, mas de forma inversa à impermeabilização, em que a pressão atuante é inversa à impermeabilização.

Conhecendo os mecanismos da ação da umidade em edificações

Pressão negativa (Soares 2014 adaptado).

Pressão negativa área interna e externa (IBI).

 

A HM Rubber, apresenta o sistema 2.0, em que se inicia com a barreira de vapor utilizando HM EPX, prevenindo os efeitos de pressão negativa, e utilizando a robustez da tecnologia da borracha liquida com os produtos: HM Borracha líquida, HM Estruturante e Impertech Gold, para proteção da superfície a infiltração de água, sendo um sistema extremamente estável e dúctil e prevenindo ação da umidade sobre a estrutura protegendo a edificação.

 

*De acordo com a NBR 9575:2003.

Referências: Soares, F. F., A Importância de impermeabilização do projeto de Impermeabilização em obras de Construção Civil, Curso de Engenharia Civil, Projeto de graduação, Escola Politécnica Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Agosto, 2014. | Guia de Aplicação da Norma de Desempenho para Impermeabilização, Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI), pag 10.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe o seu comentário!